Monday, July 09, 2007

O abominável

Às vezes, sinto saudades de coisas e dou comigo a ser uma pessoa nostálgica. Por exemplo, passo pelo Marquês de Pombal, agora já menos esburacado, e lembro-me do tempo em que ali se festejavam vitórias do Glorioso ou a derrota do Scolari na final do Euro 2004. Olho para o mar e lembro-me do tempo em que tinha férias e não era uma pessoa extremamente ocupada que já não lhe apetece mergulhar nas águas gélidas da Foz do Lizandro. Olho para o extracto de conta e lembro-me de quando aquilo chegava aos três dígitos à esquerda da vírgula, até me vêm as lágrimas aos olhos. Olho para os jogos das selecções jovens, e recordo com sorriso emocionado aquele ano épico de Couceiro à frente (?!) dos destinos (?!?!) do folcuporto. No fundo, acho que sou uma pessoa sensível em fase de envelhecimento. Embora me custe admiti-lo, sou confrontado diariamente com factos e exemplos que me colocam ao nível do comum dos mortais, com sentimentos e tudo.
De todas estas memórias, é evidente que aquela que mais me marca é a da era em que o abominável homem do tacho produzia um efeito arturjorgiano no clube tripeiro. Impressiona-me a sua capacidade extraordinária para conseguir separar, um por um, todos os 11 jogadores de uma mesma equipa sobre o terreno de jogo. Acredite-se ou não, o abominável é menino para desconectar, com precisão, uma dupla de defesas centrais. É rapaz para criar uma modalidade de pontapés de canto em que a bola acaba por chegar sempre a um determinado sítio sem correr o menor risco de ser tocado por nenhum dos 10 companheiros de equipa do pontapeador do esférico. Couceiro é uma pessoa com método, isso nota-se. Nas conferência de imprensa, a intensividade do ensaio do discurso vem ao de cima. É fácil imaginá-lo, a partir dos 50 minutos de jogo, sussurrando repetidamente para si mesmo chavões atrapalhados com desculpas esfarrapadas e irritantes, até decorar, palavra por palavra, a justificação para a sua mediocridade, para a sua falta de jeito, para sua vocação errada e, também, embora nas entrelinhas, para o seu apego ao cargo que ocupa. Desde a presidência do Sindicato dos Jogadores que o homem do tacho dá provas, umas atrás das outras, de ter nascido fadado para não produzir coisa alguma de positivo, por um lado, mas de conseguir sempre emprego em cargos ao alcance de poucos, por outro. A justificação? Não sendo religioso, estou em crer que isto tem dedinho divino. Só gostava de saber que anjinho da guarda lhe põe a mão por baixo. Não que eu queira uma mãozinha por baixo de mim, que, como já aqui expliquei em diversas ocasiões, não sou dado a bicharices. Mas com um milésimo da providencial ajuda de que o abominável beneficia, desconfio que o meu extracto de conta chegasse mesmo aos 4 dígitos. E isso, parecendo que não, dá jeito às pessoas.

25 Comments:

At 7:07 PM, Blogger Helena Henriques said...

Pronto, pronto, os rapazes também são fraquinhos, mas - isso não se verifica na sub21 e os resultados...

 
At 9:52 AM, Blogger jose said...

É o Santana Lopes do futebol português.

 
At 10:20 AM, Blogger Férenc Meszaros said...

Estou convencido que em cada geração existe um Luis Campos. Nesta existem dois.

 
At 12:17 PM, Blogger Helena Henriques said...

Dois?

 
At 1:03 PM, Blogger Férenc Meszaros said...

O Jesualdo é de outra categoria, Helena...

 
At 1:42 PM, Blogger Diego Armés said...

:D

Eu disse, Helena: o Couceiro é um Luís Campos com upgrade ao nível da comunicação...

 
At 2:10 PM, Blogger Sir said...

Por mim, o Couceiro era detido, amordaçado, e atirado para um calabouço a quilómetros de baixo da terra. Ou então, como quem não quer a coisa, caía-lhe uma bigorna em cima. Se preferirem, claro, basta darem-me uma faca de serra para as mãos, que eu trato do assunto.

Okay, okay.. estou a ser mauzinho. Basta que apanhe sífilis, então.

 
At 2:16 PM, Blogger Diego Armés said...

Que maldade, Sir. O Couceiro tem o seu lado positivo: pode um dia vir a treinar o Sportém.

 
At 2:40 PM, Blogger Sir said...

Mas assusta-me que, nesta pré-época, tenha sido dado como no Benfica. Aquilo é que era uma dupla de.. pesadelo.

 
At 3:16 PM, Blogger Helena Henriques said...

Não respondes Meszaros? A provocação era para ti! Hello, o Couceiro no Sportém :O

Quanto ao Jesualdo, quer-me parecer que ele é o menor dos problemas do meu Porto.

 
At 3:56 PM, Blogger Férenc Meszaros said...

Não me pareceu provocação do guitarrista, mas enfim admito que esta gente do FCP que sentiu o Couceiro na pele (salvo seja...) seja realmente mais sensível a este tipo de comentários...

 
At 4:08 PM, Blogger Helena Henriques said...

:D ohhh, muito sensível, num ano com 3, sim 3 treinadores e mesmo assim quase eramos campeões :D

 
At 4:16 PM, Blogger Diego Armés said...

Não era provocação, não. Era uma prece.

 
At 4:29 PM, Blogger jose said...

AH, bem me precia...

 
At 4:56 PM, Blogger Helena Henriques said...

O que vale é que sempre nos ficam as piadas giras do José :D

 
At 12:16 AM, Blogger Sir said...

"O amoníaco é um gás incolor, irritante, com cheiro sufocante e pungente, cuja inalação pode ser fatal."

Meus amigos, é só escolher.

 
At 11:18 AM, Blogger jose said...

Dass...

 
At 12:20 PM, Blogger Helena Henriques said...

Estás a citar quem? Falas de amoníaco e portas-te como soda cáustica, anima-te Sir, diz que este vai ser o ano do benfica - a não ser que tenhas comprado acções a 4€, devias estar menos ácido.

 
At 12:59 PM, Blogger Sir said...

Estou a citar o autor de um livro de Físico-Química. Amanhã vou pensar no Couceiro durante todo o exame. Era eu, ele, um pau com pregos e um frasquinho de clorofórmio, e o Chile seria facilmente ultrapassado.

 
At 2:18 PM, Blogger jose said...

Este ainda vai fazer xixi na cama...

 
At 2:36 PM, Blogger Diego Armés said...

Desculpa, José, tu disseste "xixi"?

 
At 3:47 PM, Blogger Helena Henriques said...

E o exame de Físico-Química?

 
At 5:28 PM, Blogger Sir said...

Não sei, Helena.. tens alguma ideia para o mutilar com ele?

 
At 6:03 PM, Blogger Helena Henriques said...

Vai estudar pá!

 
At 8:39 PM, Blogger Sir said...

Helena, eu sei tudo.

 

Post a Comment

<< Home